Local and global environmental education: public policies and participation in Fernando de Noronha

  • Vivian Battaini
  • Marcos Sorrentino
Keywords: Participation, Public policy, Fernando de Noronha Island, Environmental education

Abstract

This article seeks to analyse factors that may foster, hinder or increase environmental social participation and environmental education (EE) on the Island of Fernando de Noronha - Pernambuco / Brazil. The role of public policies in fostering a culture of democratic procedures aimed for building sustainable societies is another aim in this study. The relationships between research and experimentation in EE are the basis for this analysis. A survey provided a better understanding of the local reality and offered opportunities for the dialogues maturation focused on the definition of principles and initiatives that can contribute to the cycle of public policies formulation and implementation for EE.  This was a qualitative research-intervention carried out with a conservationist institution, which operates in the field of EE. It dialogues with ethnographic research in the field of education and used as techniques of data collection: analysis of official documents, participant observation, music and semi-structured interviews.  The analysis of the fieldwork were enhanced by other experiences of the Laboratory of Education and Environmental Policy (Oca) of the University of São Paulo and showed the need for public policies able to provide a permanent, continuous and articulated EE with the population of each territorial group. It also indicates some possible ways for that betting on the centrality of dialogical participation which articulates initiatives through an interinstitutional pedagogical political project.

References

ACOSTA, A. Bem Viver: Uma oportunidade para imaginar outros mundos. São Paulo. Editora Elefante, 2016.

ANDRADE, D.F.; LUCA, A.; CASTELLANO, M.; RISSATO, C.G.; SORRENTINO, M. Da pedagogia à política e da política à pedagogia: uma abordagem sobre a construção de políticas públicas em educação ambiental no Brasil. Ciênc. educ. (Bauru), Bauru , v. 20, n. 4, p. 817-832, Dec. 2014.

ANDRADE, D.F.; SORRENTINO, M. O lugar e o difícil papel do diálogo nas políticas públicas de educação ambiental. In: Revista de Educação Pública, Cuiabá, v.25, n.58, p.139 – 160, jan-abr 2016.

ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar. 18 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012. 128p.

BATTAINI, V.; SORRENTINO, M. Desafíos de Políticas Públicas Estruturantes de Educación Ambiental en Fernando de Noronha-Pe. AmbientalMENTEsustentable, 25(1), 155-170. 2018. Disponível em: http://revistas.udc.es/index.php/RAS/article/view/ams.2018.25.1.4669. 2018.

BATTAINI, V. Educação Ambiental e políticas públicas em Fernando de Noronha: a participação na construção de escolas e sociedades sustentáveis. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Centro de Energia Nuclear na Agricultura. 2017.

BECKER, H. S. Métodos de pesquisas em ciências sociais. 4 ed. São Paulo: Hucitec, 1994. 178p.

BIASOLI, S.A. Institucionalização de políticas públicas de educação ambiental: subsídios para a defesa de uma política do cotidiano. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Centro de Energia Nuclear na Agricultura, 2015.

BRASIL. Decreto n. 92.755, 5 de junho de 1986. Declara Área de Proteção Ambiental o Território Federal de Fernando de Noronha, o Atol das Rocas e os Penedos de São Pedro e São Paulo, e dá outras providências. Distrito Federal, 1986.

BRASIL. Decreto n. 96.693, 14 de setembro de 1988. Cria o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e dá outras providências. Distrito Federal, 1988.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.9.394/96. Brasília, DF: MEC/SEF, 1996.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 126p

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.795. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 1999.

BRASIL. Lei n. 9985/2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Distrito Federal, 2000.

BRASIL, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE & MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Programa Nacional de formação de educadoras(es) ambientais: por um Brasil educado e educando ambientalmente para a sustentabilidade. Série Documentos Técnicos – 7. Brasília, 2006.

BRASIL, MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE & MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Comissão de meio ambiente e qualidade de vida na escola. Com-vida. Série Documentos Técnicos – 7. Brasília, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução nº2. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, Ministério do Meio Ambiente. Vamos cuidar do Brasil com escolas sustentáveis: educando-nos para pensar e agir em tempos de mudanças socioambientais globais. Brasília: 2012.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Educação Ambiental; Ministério da Educação, Coordenação Geral da Educação Ambiental. 3. ed. Brasília: MMA, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 13.005. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. 2014.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Disponível em: http://www.deolhonosplanos.org.br/planos-de-educacao/ Acessado: 11/12/2016.

BOHM, D. Diálogo: comunicação e redes de convivência. São Paulo: Palas Athena, 2005.

BUBER, M. Eu e Tu. São Paulo: Cortez & Moraes. 1974.

DÍAZ BORDENAVE, J.E. O que é participação. 8ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1994.

HEIDEMANN, F.G. Do sonho do progresso às políticas de desenvolvimento. In: HEIDEMANN, F.G., SALM, J.F. (Orgs). Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: UNB, 2010. p. 23 – 39.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREY, K. Políticas Públicas: Um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e políticas públicas. n.21. 2000. p.211-259.

GOLDENBERG, M. Objetividade, representatividade e controle de bias na pesquisa qualitativa. In: A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 3 ed. Rio de Janeiro: Recard, 1999. p.44 – 52.

GOLDENBERG, M. Pesquisa qualitativa: problemas teóricos-metodológicos. In: A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais.3 ed. Rio de Janeiro: Recard, 1999. P. 53 – 60.

GUIMARÃES, M. Intervenção educacional. In: FERRARO, Luiz Antônio Júnior (Org.) Encontros e Caminhos: formação de educadoras(ES) ambientais e coletivos educadores. Vol1.Brasília: MMA, Diretoria de Educação Ambiental, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pe/fernando-de-noronha/panorama. Acessado: 30/04/2020.

JACCOUND, M.; MAYER, R. A observação direta e a pesquisa qualitativa. In: POUPART, J. DESLAURIERS, J. GROULX, L.

JACCOUND, M.. MAYER, R. PIRES, Á. (Organizadores). A pesquisa qualitativa. Enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. p. 254 – 294.

LINSKER, R. Arquipélago de Fernando de Noronha. O paraíso do vulcão. 2 ed. São Paulo, Terra Virgem Editora, 2011. 167.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 112 p.

MACHADO, J.; TROVARELLI, R.; BATTAINI, V.; BRIANEZI, T.; ALVES, D.M.G.;BIASOLI, S.; SILVA, L.S.; SORRENTINO, M. Espaços educadores sustentáveis: a dimensão da cidadania incorporada a partir de processos educadores ambientalistas. Comunicações. Piracicaba. Ano 22. n. 2. p. 217-240. Ed. Especial. 2015.

MONTEIRO, R.A.A. O diálogo em processos de educação ambiental: análise das relações existentes entre uma ONG e pescadores artesanais marítimos do litoral paulista. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência Ambiental) - Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MORIMOTO, I.A.T.O. Direito e Educação Ambiental: Estimulo à Participação Crítica e à Efetiva Aplicação de Normas Voltadas à Proteção Ambiental no Brasil. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM), Universidade de São Paulo, 2014.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 8.ed. São Paulo: Cortez, 2003.

NETO, O.C. O trabalho de campo como descoberta e criação. In: DESLANDES, S.F. NETO, O.C. MINAYO, M.C.S.(Org.). Pesquisa social – teoria, método e criatividade. 21 ed. Petrópolis – RJ: Editora Vozes, 2002. p. 51-66.

NICOLESCU, B. O Manifesto da Transdisciplinaridade.Triom: São Paulo, 1999.

OCA, 2016. O “método Oca” de educação ambiental: fundamentos e estrutura incremental. Ambiente & Educação. Vo.21, n.1, 2016. Disponível em: https://ocaesalq.files.wordpress.com/2013/07/revista-amb-educ-metodo-oca-vol21-no1-2016.pdf

PERNAMBUCO. Lei n. 11.304/1995. Institui o Distrito Estadual de Fernando de Noronha, aprova sua Lei Orgânica, dispõe sob medidas de natureza administrativa. Pernambuco, 1995.

PERNAMBUCO. Secretaria de Educação. Caderno de orientações pedagógicas para a educação ambiental: rede estadual de ensino de Pernambuco /Secretaria de Educação ; colaboradores Ana Rita Franco do Rego ... [et al.] ; coordenação pedagógica do caderno Walkiria Cavalcanti Prado... [et al.] ; apresentação Ana Selva. – Recife : A Secretaria,2013. 124p. : il.

PORTUGAL, S.; SORRENTINO, M.; VIEZZER, M. Educação Ambiental na Formação de Jovens e Adultos. In:

SORRENTINO, Marcos (Org.). Educação Ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivências. 1 ed. Curitiba: Appris, 2012.p. 225-243.

RAYMUNDO, M.H.; DINIZ, N.; MARANHÃO, R.; JANKE, N. Projeto Político Pedagógico como estratégia para inclusão da educação ambiental nas políticas públicas brasileiras. Ambientalmente Sustentable, xullo-decembro, ano X, vol.II, n. 29, 2015. P. 151-165.

ROCHA, M.L.; AGUIAR, K.F. Pesquisa-Intervenção e a produção de novas análises. Psicologia Ciência e Profissão, 23(4), 2003. P. 64 – 73.

TRAJBER, R.; SATO, M. Escolas Sustentáveis: incubadoras de transformações nas comunidades. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. ISSN 1517-1256, v. especial, setembro de 2010. Disposível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/3396/2054. Acessado em: 29/04/2020.

RUSSELL, B. A conquista da felicidade. Saraiva de bolso. 2012.

SANTOS, B.S. Pela mão da Alice: o social e o político na pós modernidade. 12 ed. São Paulo, Cortez, 2008, 348p.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; MENDONÇA, P.;FERRARO JUNIOR, L.A. Educação Ambiental como Política Pública. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.31, n.2, p.285-299, maio/ago, 2005.

SORRENTINO, M. Educador Ambiental Popular. In: FERRARO JUNIOR, Luiz Antônio (Org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 3. Brasília: MMA/DEA, 2013. p.143-153.

SORRENTINO, M.; PORTUGAL, S.; PAZOS, A.S.P. ;VÁZQUES, C.V. Por uma nueva cultura de latierra, Tierra y território: rutas de transición para soceidadessustentables. Carpeta Informativa del CENEAM / abril de 2020.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. Porto Alegre, v.8, n.16, p.20-43, jul-dez, 2006.

ROCHA, M.L. Pesquisa intervenção e a produção de novas análises. Psicologia: ciência

VIEZZER, M. Somos todos aprendizes: lembranças da construção do Tratado de Educação Ambiental. 2004. Disponível em: <http://tratadodeea.blogspot.com.br/2008/06/somos-todosaprendizes- lembranas-da.html>. Acesso em: 02 ago. 2014.

Published
2020-07-29