Os modelos de docência da educação física no 1º ceb – visões dos gestores (The models of physical education teaching in the elementary school - views of managers) (Modelos de enseñanza en educación física en primária – visiones de los directivos)

Rui Neves

Resumen


Resumo: A educação física (EF) na escola do 1º ceb em Portugal tem uma história de avanços e recuos, de ostracismo e afirmação. As atividades físicas e desportivas nas atividades de enriquecimento curricular constituíram-se simultaneamente como um avanço na promoção da atividade física dos alunos e um recuo na regularidade da EF de cada turma. Deste modo o modelo de docência da EF no 1º ceb torna-se uma questão a analisar. Este estudo de natureza qualitativa foca-se nas perceções de 14 adjuntos da direção de outros tantos Agrupamentos de Escolas de Aveiro (Portugal), inquiridos através de um questionário, com os dados tratados através de análise de conteúdo. Os resultados evidenciam uma diversidade de modelos (monodocência, monodocência coadjuvada e professor especialista de EF) nos vários Agrupamentos. Por outro lado, as opções por diferentes modelos de docência da EF parecem surgir sem fundamentação ou por uma lógica de ocupação de recursos humanos.


Abstract: Physical education (PE) in elementary school in Portugal has a history of advances and retreats, of ostracism and affirmation. Physical and Sporting Activities in the curriculum enrichment activities constituted simultaneously as a breakthrough in promoting physical activity of students and a decline in PE regularity of each class. Thus the teaching model of the PE becomes an issue to be considered. This qualitative study focuses on perceptions of 14 adjuncts from the direction of many other Groupings of Aveiro Schools (Portugal), surveyed through a questionnaire with the data processed through content analysis. The results show a diversity of models (single teacher, assisted single teacher and specialist teacher) in the various Groupings. On the other hand, the options for different models of PE teaching seem to appear without giving reasons or a human resources occupancy logic.


Resumen: La educación física (EF) en la primaria en Portugal tiene una historia de avances y retrocesos, de ostracismo y la afirmación. Las actividades físicas y deportivas en las actividades de enriquecimiento del plan de estudios constituyen al mismo tiempo como un gran avance en la promoción de la actividad física de los estudiantes y una disminución de la regularidad de EF en cada clase. Así, el modelo de enseñanza de la EF se convierte en un problema que debe considerarse. Este estudio cualitativo se centra en las percepciones de los 14 adjuntos de la dirección de muchas otras Agrupaciones de Escuelas de Aveiro (Portugal), estudiados a través de un cuestionario con los datos procesados mediante análisis de contenido. Los resultados muestran una diversidad de modelos (maestro único, asistido solo maestro y maestro especialista) en las distintas Agrupaciones. Por otra parte, las opciones para diferentes modelos de enseñanza de EF parecen aparecer sin dar razones o una lógica de ocupación de los recursos humanos.


Palabras clave


educação física, escola 1º ciclo, modelo de docência (physical education. elementary school. teaching model) (educacion física. escuela primaria. modelo enseñanza)

Texto completo:

PDF (Português)

Referencias


Afonso, N. (2005). Investigação Naturalista em Educação – um guia prático e crítico, Asa Editores SA, Porto.

Anderson, W. (1994). Building and maintaining outstanding physical education programs: Key factors. Journal of Physical Education, Recreation and Dance, 7, 22-49.

Banks, F., Leach, J. e Moon, B. (2005). Extract from New understanding of teacherers’ pedagogic knowledge. The Curriculum Journal, 16, 3 September: 331 - 340.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa,

Breslin, G., Hanna, D., Lowry, R., McKee, D., McMullan, K., Haughey, T. & Moore, N. (2012). An exploratory study of specialist and generalist teachers: predicting self-efficacy in delivering primary physical education, Working Papers in Health Sciences, 1, 1.

Crum, Bart (1993). A crise de identidade da educação física. Ensinar ou não ser, eis a questão. Boletim Sociedade Portuguesa de Educação Física, 7/8: 133 – 148.

DEB (2004). Organização curricular e programas ensino básico — 1.o ciclo, Departamento de Ensino Básico, Editorial do Ministério da Educação (4ª edição).

Dias, V. (2011). Análise de Ensino de Educação Física no 1.º Ciclo, Comparando Professores Generalistas e Especialistas, Seminário/Relatório de Estágio apresentado para a obtenção do Grau de Mestre no Curso de Mestrado em Ensino da Educação Física nos Ensinos Básico e Secundário, conferido pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Estrela, T. (2002). Modelos de formação de professores e seus pressupostos conceptuais. Revista de Educação, XI, 1, Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa: 17 – 28.

European Commission/Eacea/Eurydice (2013). Physical Education and Sport at School in Europe Eurydice Report. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Fonseca, D. G., & Cardoso, L. (2014). Educação Física nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental: A Questão da Unidocência. Kinesis, 32 (1).

Guimarães, M. (2002). A educação física no 1º ciclo do ensino básico – um estudo de representações sobre as características organizacionais do ensino e a formação contínua de professores. Dissertação de mestrado em Educação, apresentada ao Departamento de Educação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (não publicada).

Jones, L. & Green, K. (2015). Who teaches primary physical education? Change and transformation through the eyes of subject leaders, Sport, Education and Society, 20, 7, Taylor and Francis.

Lynch, T. (2015). Health and physical education (HPE): Implementation in primary schools, International Journal of Educational Research 70, 88–100, http://dx.doi.org/10.1016/j.ijer.2015.02.003

Lounsbery, M., Mckenzie, T., Trost, S. & Smith, N. (2011). Facilitators and Barriers to Adopting Evidence-Based Physical Education in Elementary Schools, Journal of Physical Activity and Health, 8 (Suppl 1), 17-25, Human Kinetics, Inc.

Maria, A., & Nunes, M. (2006). Orientações Programáticas da Actividade Física e Desportiva - 1º Ciclo do Ensino Básico. Ministério da Educação. Direcção Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

Mckenzie T., Stone E., Feldman H., Epping J., Yang M., Strikmiller P., Lytle, L. & Parcel G. (2001). Effects of the CATCH physical education intervention: teacher type and lesson location. American Journal of Preventive Medicine, 21, 2, August: 101 – 109.

ME (1992). A educação física no 1º ciclo do ensino básico. Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário, Ministério da Educação, Lisboa.

Philip Morgan & Sid Bourke (2008) Non-specialist teachers' confidence to teach PE: the nature and influence of personal school experiences in PE, Physical Education and Sport Pedagogy, 13:1, 1-29, DOI: 10.1080/17408980701345550

Neves, R.. (1997). Educação Física no 1o ciclo ensino básico. Do Baldio Pedagógico à construção curricular. Revista Digital Efdeportes, 6 (31), 1–5, 2001. Acedido a 15 de maio de 2010 http://www.efdeportes.com/efd31/ef11.htm.

Neves, R. (2007). A construção curricular da educação física no 1º ciclo do ensino básico – conhecimento e percepções dos professores. Tese de Doutoramento apresentada ao Departamento de Didáctica e Tecnologia Educativa – Universidade de Aveiro (não publicado).

Kim, J. & Taggart, A. (2004). Teachers’ perception of the culture of physical education: Investigating the silences at Hana Primary School. Issues in Educational Revue, 14 (1), 69-84. Acedido em 2 de Junho de 2007 em: http://www.iier.org.au/iier14/kim.html

Seabra, A., Antão, C., Sá, I., Moreira, S. & Neves, R. (2004). As Autarquias Locais e a Educação Física no 1º CEB – Um olhar qualitativo e narrativo, Revista Horizonte, vol XX, nº 115, 14-23 Setembro/Outubro.

Scheuer, C. (2016). L’ EPS à L’École Primaire en Europe, Contrepied- EPS, Sports, Cultures, 14, Janvier, Syndicat National de l’ Education Physique Enseignement Public.

Shulman, L. (1987). Knowledge and teaching: Foundations of the new reform. Harvard Educational Review, 57, 1,1 - 22.

Spittle, S., & Spittle, M. (2014). The Reasons And Motivation For Pre-Service Teachers Choosing To Specialise In Primary Physical Education Teacher Education. Australian Journal of Teacher Education, 39, 5. Retrieved from http://ro.ecu.edu.au/ajte/vol39/iss5/1

Rickwood, G., Temple, V. & Meldrum, J. (2011). School-Based Physical Activity Opportunities: Perceptions of Elementary School Parents, Teachers, and Administrators, Phenex Journal, 3, (2), 1-18. Acedido em 4 de maio 2012 http://ojs.acadiau.ca/index.php/phenex/article/view/1424/1207

Rickwood, G. (2013). School culture and physical activity: a systematic review, Canadian Journal of Educational Administration and Policy, 143, August.

Wright, L. (2004). Preserving the value of happiness in primary school physical education. Physical Education and Sport Pedagogy, 9, 2, November.

Xiang, P., Lowy, S., & Mcbride, R. (2002). The impact of a field-based elementary physical education methods course on preservice classroom teachers’ beliefs, Journal of Teaching in Physical Education, 21:145 – 161.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.