Do impersso ao digital: perspectivas da concepção e produção do livro didático digital brasileiro de física

  • Nilson Marcos Dias Garcia Universidade Tecnológica Federal do Paraná – DAFIS/PPGTE e Universidade Federal do Paraná – PPGE
  • Daniel Sucha Heidemann Universidade Federal do Paraná – PPGE
  • Ruan Carlos Guilherme Barbosa Universidade Federal do Paraná – PPGE
Palabras clave: Livro digital, Objeto Educacional Digital, Tecnologias de Informação e Comunicação, PNLD, Livro didático de Física

Resumen

A pesquisa investigou como autores e editores de livros didáticos de Física aprovados no Programa Nacional do Livro Didático brasileiro tem-se apropriado dos recursos das TICs e de elementos digitais em suas produções. Verificou-se nesses livros a presença desses elementos sob a forma de links de textos, vídeos, simulações, etc. e de Objetos Educacionais Digitais elaborados pelas próprias editoras. Os materiais foram analisados com base na Teoria de
Aprendizagem Multimídia de Richard Mayer, e a pesquisa acusou a necessidade de serem estabelecidas novas formas de avaliação de materiais digitais. Finalmente, no sentido de verificar como tem ocorrido a incorporação desses elementos aos livros didáticos, foi feita uma análise de um livro de um mesmo autor ao longo de processos avaliativos realizados em 2009, 2012 e 2015. Verificou-se que essa incorporação tem sido constante e gradual, com um incremento significativo a partir de 2015, influenciada por uma política pública que estimula tais ações.

Citas

Adell, J. & Bernabé, I. (2006). Los libros de texto de la escuela en red. Perspectiva CEP, 11, 21-33.

Alonso Arévalo, J. (2013). La transición hacia los libros de texto digitales. Boletín De La Asociación Andaluza De Bibliotecarios, 28(105), 264-268.

Astudillo Torres, M., & Chevez Ponce, F. (2015). Los libros de texto digitales en México: un apoyo al trabajo didáctico en las aulas de educación básica. Educatio Siglo XXI, 33(3), 103-122. Recuperado de http://revistas.um.es/educatio/article/view/240881/184491

Cano Delgado, A. (2004). Libros electrónicos: digitalizando a Gutenberg. Comunicar: Revista Científica Iberoamericana De Comunicación Y Educación, 24, 68-75.

Choppin, A. (2004, Setembro/Dezembro). História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, 30(3), 549-566. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ep/v30n3/a12v30n3.pdf

Garcia, T.M.F. Braga. (2015). From Print to Digital: Changes in the Brazilian Textbook Program. In J. R. Rodríguez, E. Bruillard & M. Horsley (Eds.), Digital textbooks: What’s new? (pp. 52-58). doi: 10.15304/op377.759.

Gaspar, A. (2008). Física: Volume único. São Paulo, SP: Ática.

Gaspar, A. (2011). Compreendendo a física: Ondas, óptica e termodinâmica (2a ed.). São Paulo, SP: Ática.

Gaspar, A. (2014). Compreendendo a física: Ondas, óptica e termodinâmica (3a ed.). São Paulo, SP: Ática.

Heidemann, D. S., Garcia, T.M.F.B., & Garcia, N.M.D. (2015, Janeiro). A produção de materiais didáticos digitais de física por professores. Artigo apresentado no 21o Simpósio Nacional de Ensino de Física, Uberlândia, MG. Recuperado de http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xxi/sys/resumos/T1062-1.pdf

Kojanitz, L. (2007). Learning-Centered quality assessment. In M. Horlsey, & J. McCall (Eds.), Peace, democratization and reconciliation in textbooks and educational media: Ninth International Conference on Textbooks and Educational Media (pp. 212-220). Recuperado dehttps://iartemblog.files.wordpress.com/2012/03/9thiartemconferencevolume.pdf

Lajolo, M. (1996). Livro didático: um (quase) manual de usuário. Em Aberto, 16(69), 3-9. Recuperado de http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me001398.pdf

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996, 23 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, seção 1. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/leis/L9394.htm

Mayer, R., & Clark, R. C. (2011). E-learning and the science of instruction: Proven guidelines for consumers and designers of multimedia learning (3a ed.). doi: 10.1002/9781118255971

Mayer, R. (2014). Research-based principles for designing multimedia instruction. In V. A. Benassi, C. E. Overson, & C. M. Hakala (Eds.), Applying science of learning in education: Infusing psychological science into the curriculum (pp. 59-70). Recuperado de http://teachpsych.org/ebooks/asle2014/index.php

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (n.d.). Histórico. Recuperado de http://www.fnde.gov.br/programas/livro- didatico/livro-didatico-historico

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2000). Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino médio: PCN. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2002). PCN+ ensino médio - orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasNatureza.pdf

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2011). Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o programa nacional do livro didático: PNLD 2014. Recuperado de http://www.fnde.gov.br/arquivos/category/165-editais?download=8046:pnld-2014-edital- consolidado-3-alteracao

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2013). Edital de convocação para o processo de inscrição e avaliação de obras didáticas para o programa nacional do livro didático: PNLD 2015. Recuperado de http://www.fnde.gov.br/arquivos/category/165-editais?download=8304:edital-pnld-2015- ensino-medio-03-07-2013

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. (2014). Guia de livros didáticos ensino médio: Física. Recuperado de http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/guias-do-pnld/item/5940-guia-pnld-2015

Ostermann, F., & Cavalcanti, C. J. (2010). Teorias de aprendizagem: Texto introdutório. Recuperado de http://www.ufrgs.br/sead/servicos-ead/publicacoes-1/pdf/Teorias_de_Aprendizagem.pdf

Prats I Fernández, M. À., & Ojando Pons, E. S. ¿ Pueden las TIC mejorar los resultados académicos? Diseños formativos y didácticos con soporte TIC que mejoran los aprendizajes: el caso de los contenidos digitales de ortografía de Digital-Text. Educatio Siglo XXI, 33(3), 85-102. Recuperado de http://revistas.um.es/educatio/article/view/240841

Reints, A. J. C. (2015). How to learn from digital textbooks: Evaluating the quality. In J. R. Rodríguez, E. Bruillard & M. Horsley (Eds.), Digital textbooks: What’s new? (pp. 424-465). doi: 10.15304/op377.759.

Resolução CNE/CEB 2/2012, de 30 de janeiro de 2012 (2012, 31 de janeiro). Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o ensino médio. Diário Oficial da União, seção 1. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9864-rceb002-12&Itemid=30192

Takahashi, T. (Org.). (2000). Sociedade da informação no Brasil: Livro verde. Recuperado de http://livroaberto.ibict.br/bitstream/1/434/1/Livro%20Verde.pdf

Publicado
2016-04-01