El currículum escolar y el ejercicio docente ante los desafíos de la multiculturalidad en Portugal

  • Carlinda Leite Universidade do Porto
Palabras clave: Currículum, práctica docente, multiculturalidad, atención educativa a inmigrantes, Sistema Educativo Portugués, justicia curricular, currículum contra-hegemónico, mejora escolar

Resumen

El artículo hace un repaso de la realidad del Sistema Educativo Portugués en relación con la multiculturalidad. Describe una panorámica histórica del proceso de atención a colectivos inmigrantes en Portugal. Denuncia como este fenómeno era ignorado hasta hace bien poco en las agendas de política educativa. Defiende que el currículum, en función de cómo se selecciones y desarrolle, es tanto una herramienta poderosa de inclusión y de justicia, como de todo lo contrario. Describe los implicantes esenciales de hacer una política educativa y curricular para atender al fenómeno de la multiculturalidad. Defiende la pertinencia de un currículum contra-hegemónico para alcanzar la justicia curricular. Muestra y argumenta las implicaciones más relevantes del fenómeno de cara la formación del profesorado. Concluye apostando por una educación para la ciudadanía democrática en una sociedad multicultural, y defendiendo que la diversidad es un motor de cambio y progreso que hay que atender adecuadamente.

Biografía del autor/a

Carlinda Leite, Universidade do Porto

Profesora Emeritus de la Universidad de Oporto

 

 

Citas

Abenoza Guardiola, R. (2004). Identidad e inmigración: orientaciones psicopedagógicas. Madrid, Catarata.

Apple, M. (1986). Ideología y currículo. Madrid: Akal.

Banks, J. (1986). Multiethnic education: theory and pratice, Newton, MA.: Allyn and Bacon.

Bernstein, B. (1990). Poder, educación y conciencia. Sociología de la transmision cultural. Barcelona: Ed. El Roure.

Bernstein, B. (1993). La estructura del discurso pedagógico. Madrid: Ed. Morata.

Bolívar, A. (2000). O lugar da escola na política curricular actual. Para além da reestruturação e da descentralização. En J.M. Sarmento (org.) Autonomia da Escola. Porto: Edições ASA, 157-190.

Camilleri, C. (1992). Les conditions de base de l’interculturel. Pour une societé interculturelle, Celim Bergamo, Texto bilingue, Quaderni 6.

Carvalho, R. T. de (2004). Discursos pela interculturalidade no campo curricular da educação de jovens e adultos no Brasil nos anos 1990. Recife: Edições Bagaço.

Charlot, B. (2000). Da relação com o saber. Elementos para uma teoria. Porto Alegre: Artmed.

Connell, R.W. (1997). Escuelas y justicia social. Madrid: Ed. Morata.

Cortesão, L. & Pacheco, N. (1990). Porque está o interculturalismo ausente da realidade portuguesa. XII Congreso de Sociología, Madrid, doc. policopiado.

Delors, J. et al. (1996). Educação: um tesouro a dscobrir – relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre educação para o século XXI. Porto: Edições ASA.

Doll, W. (2002). Currículo: uma perspectiva pós-moderna. Porto Alegre: Artmed.

Freire, P. (1972). Pedagogia do oprimido. Porto: Ed. Afrontamento.

Freire, P. (1978). Educação política e conscientização. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora.

Freire, P. (1995). À sombra desta mangueira. S. Paulo: Ed. Olho d’Água.

Fullan, M. (1991). The new meaning of educational change. New York: Teachers College Press.

Gentili, P. (2000). Qual educação para qual cidadania? Reflexões sobre a formação do sujeito democrático. En J.C. Azevedo et al. Utopia e democracia na educação cidadã. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, pp. 143-156.

Grilo, M. (1998). Fórum Escola, Diversidade, Currículo, ME/DEB/IIE, pp.13-20.

Húsen, T. (1982). Nuevo análisis de la sociedad del aprendizaje. Barcelona: Ed. Piados/MEC.

Leite, C. (1997). As palavras mais do que os actos? O multiculturalismo no sistema educativo português. Oporto: Facultad de Psicología y Ciencias de la Educación de la Universidad de Oporto. Tesis de Doctorado. doc. policopiado.

Leite, C. (2000). Uma análise da dimensão multicultural no currículo. Revista de Educação, 9(1), 137-144.

Leite, C. (2001). O lugar da escola e do currículo na construção de uma educação intercultural. En A. Canen y A.F. Moreira, Ênfases e omissões no currículo. Campinas: Papirus Editora, pp. 45-64.

Leite, C. (2002). O currículo e o multiculturalismo no sistema educativo português. Lisboa: Gulbenkian/FCT.

Leite, C. (2003). Para uma escola curricularmente inteligente. Porto: Edições ASA.

Leite, C. (2003a). Formação de professores para a cidadania. En J.S. Ferreira y C.V. Estevão (eds.). A construção de uma escola cidadã. Público e privado em educação, Braga: Externato Infante D. Henrique, pp. 199-208.

Leite, C. (2004). Discursos e práticas sobre o lugar da escola e dos professores. En Portugal, nesta transição de século, Novembro, Caxambu, ANPEd.

Leite, C. (2004a). As mudanças curriculares em Portugal e a multiculturalidade. II Congresso de Questões Curriculares, Agosto, Rio de Janeiro, UERJ,

Leite, C. & Rodrigues, Mª L. (2000). Contar um conto, acrescentar um ponto. Uma abordagem intercultural na análise da literatura para a infância. Lisboa: IIE.

Leite, C. & Fernandes, P. (2003). Da organização às práticas de formação contínua de professores: compromissos entre o instituído pelas actuais políticas curriculares e o instituinte local. Elo, número especial, A formação de professores, Guimarães, CFAE Francisco de Holanda, pp. 55-66.

Macedo, E. et al. (2001). Revisitando Paulo Freire. Sentidos na educação. Porto: Edições ASA.

May, S. (1994). Making multicultural education work. Toronto: Ontario: Institute for Studies in Education.

Nieto, S. (1994). Affirmation, solidarity and critique: moving beyond tolerance in multicultural education. En Multicultural education. Annual editions 95/96, University of Akron, pp. 63-69.

Ouellet, F. (1988). Pluralisme et école. Québec: Institut Québécois de Recherche sur la Culture.

Paquay, L. et al. (1996). Former des enseignants professionnels. Bruxelles: De Boeck Université.

Sanches, Mª de F. C.(2003). Centralidade da cidadania no processo educativo e na formação de professores: algumas questões críticas. En J.S. Ferreira y C.V. Estevão, A construção de uma escola cidadã. Público e privado em educação. Braga: Externato Infante D. Henrique, pp. 171-198.

Santos, B. (1997). Para uma concepção multicultural dos direitos humanos. Documento policopiado.

Stoer, S. (2001). Desocultando o voo das andorinhas. Educação inter/multicultural crítica como movimento social. En S. Stoer et al. Transnacionalização da educação. Da crise da educação à “educação” da crise. Porto: Edições Afrontamento, pp. 245-275.

Tajfel, H. (1982). Grupos humanos e categorias sociais. Estudos em psicologia social. Lisboa: Livros Horizonte.

Terrén, E. (2004). Incorporación o asimilación. La escuela como espacio de inclusión social, Madrid: Catarata.

Wallerstein, I. (1996). Para abrir as Ciências Sociais. Relatório da Comissão Gulbenkian sobre a reestruturação das Ciências Sociais. Mem Martins: Publicações Europa-América.

Weinberg, M. (1994). Diversity without equality=opression. Multicultural education. Annual editions 95/96, University of Akron, pp. 25-27.

Wieviorka M. (1999). Será que o multiculturalismo é a resposta? Educação, Sociedade e Cultura, nº 12, pp. 7-46.

Zeichner, K. M. (1993). A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa.

Publicado
2005-09-01