El cuerpo creativo y efectivo en el fútbol es más caosal: perspectivas basadas en la periodización táctica sobre la propensión al acto creativo (Creative and effective body in football is more chaosal: perspectives based on tactical periodization about th

Palabras clave: fútbol, corporeidad, caosalidad, creatividad, periodización táctica, (Corporeality; Chaos; Determinism; Gestuality; Creativity; Efficiency)

Resumen

La metodología de Periodización Táctica (PT) expresa, en general, que el contexto Específico, con E mayúscula, en el que está involucrado el jugador, sirve como útero artificial para acciones tácticas creativas y efectivas. Por estas razones, este ensayo tuvo como objetivo realizar una reflexión crítica sobre la creatividad y efectividad de las expresiones corporales en los entrenamientos y juegos de fútbol de acuerdo con los paradigmas científicos emergentes en el siglo XX como el paradigma de los sistemas, el caos, los fractales y las estructuras disipativas. Este ensayo crítico estuvo regido por dos documentos: el trabajo de Paulo Cunha e Silva (2000) titulado «La imprevisibilidad de la revisión: causalidad, casualidad y caosalidad», utilizado para justificar las consideraciones aludidas por Vitor Frade (2010) en el documento titulado «Última canción» sobre la metodología de la Periodización Táctica (PT) como catalizador de este cuerpo creativo y eficaz en el fútbol. Métodos: se realizó una revisión narrativa de estos documentos con el fin de vincular sus afirmaciones sobre el cuerpo, la creatividad, la efectividad, el entrenamiento y el juego de fútbol. Desarrollo: ante la exposición del contenido cubierto por los trabajos mencionados, se señaló la importancia de la especificidad de la formación defendida por la metodología PT, para nutrir, en una determinada intencionalidad previa, acciones corporales creativas en el caos, es decir, condiciones caóticas y deterministas. Comentarios: se sustenta la metodología PT, basada en varias aseveraciones críticas a los paradigmas científicos clásicos, como contrapunto en términos de metodología de entrenamiento futbolístico al modelo de expresión corporal cerrada como se aplicó anteriormente. En este sentido, es fundamental considerar la gestualidad del cuerpo del futbolista, en su contexto ecológico, como más propicia a la creatividad y, en consecuencia, más eficaz.
Palabras clave: Corporalidad; Caos; Determinismo; Gestualidad; Creatividad; Eficiencia.

Abstract. The Tactical Periodization (PT) methodology expresses, in general, that the Specific context, with a capital E, in which the player is involved, serves as an artificial uterus for creative and effective tactical actions. For these reasons, this essay aimed to carry out a critical reflection on the creativity and effectiveness of body expressions in soccer training and games according to the scientific paradigms emerging in the 20th century such as the paradigm of systems, chaos, fractals and dissipative structures. This critical essay was governed by two documents: the work of Paulo Cunha e Silva (2000) entitled «The unpredictability of the Review: Causality, Casuality and Chaosality», used to justify the considerations referred to by Vitor Frade (2010) in the document entitled «Last Song «on the Tactical Periodization (PT) methodology as a catalyst for this creative and effective body in football. Methods: a narrative review of these documents was carried out in order to link their statements about the body, creativity, effectiveness, training and soccer game. Development: in view of the exposure of the content covered by the aforementioned works, the importance of the specificity of the training defended by the PT methodology was pointed out, to nurture, in a given previous intentionality, creative bodily actions in chaos, ie, chaotic and deterministic conditions . Comments: the PT methodology is supported, based on several critical assertions to the classic scientific paradigms, as a counterpoint in terms of football training methodology to the closed body expression model as previously applied. In this sense, it is essential to consider the gesturality of the football player’s body, in its ecological context, as more conducive to creativity and, consequently, more effective.

Biografía del autor/a

Rodrigo Freire de Almeida, FAVI- Victorian Association of Highed Education

FAVI- Victorian Association of Highed Education

Vitória, Espírito Santo

Brasil

Jesus Molina Saorin, Universidad de Murcia

* Doctor Europeo en Ciencias del Deporte (Universidade do Porto).

* Doctor Europeo en Pedagogía (Universidad de Murcia)

* Profesor Titular de Universidad

* Director de la Sede Permanente de la Universidad de Murcia en Abarán

* Secretario del Centro de Estudios sobre Diversidad Funcional (CEDIF) 

Citas

Almeida, R. F. Dinâmica da Organização Estrutural no Futebol. Diferentes considerações do futebol de ataque. Vitória: Editora Oyá. 1ª edição, 2020. 421p.

Atlan, H. (2006). A organização biológica e a teoria da informação. 3ª Ed. Lisboa: Instituto Piaget.

Bento, J. (1988). Dialéctica da Educação Física. Porto: I.S.E.F.

Bento, J. (2004). Desporto - Discurso e Substância. Porto: Campo das Letras.

Bilhim, J. A. F. (2003). Teoria Organizacional. Estruturas e pessoas. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas Editora. 5ª edição.

Capra, F. (1996). A Teia da Vida. Uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Editora Cultrix.

Carvalhal, C. (2002) No treino de rendimento superior a recuperação é... Muitíssimo mais que “recuperar”. Lisboa: Federação Portuguesa de Futebol editora.

Castelo, J. (1994). Futebol. Modelo técnico-táctico do jogo. Identificação e caracterização das grandes tendências evolutivas das equipas de rendimento superior. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana Ed.

Castelo, J. (Ed.) (1996). A Organização do Jogo. Como entender a organização dinâmica de uma equipa de futebol e a partir desta compreensão como melhorar o rendimento e a direcção dos jogadores e da equipa. Lisboa.

Cunha e Silva, P. & Garganta, J. (2000). O Jogo de Futebol: entre o caos e a regra. In Revista Horizonte: Revista de Educação Física e Desporto. 15 (91) 1. Lisboa. 5 – 8.

Cunha e Silva, P. (1997). O Corpo Contemporâneo em crise ecológica. In Costa, P. (Org.) (1997). Meio ambiente e Desporto. Uma perspectiva Internacional. Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física Universidade do Porto.

Cunha e Silva, P. (1999). O lugar do Corpo. Elementos Para uma Cartografia Fractal. Lisboa: Instituto Piaget.

Cunha e Silva, P. (2000) A imprevisibilidade da Revisão: Causalidade, Casualidade e Caosalidade. Revista Episteme. Lisboa: Revista Multidisciplinar da Universidade Técnica de Lisboa.

Damásio, A. (1994). O erro de Descartes. Lisboa: Publicações Europa – América.

Damásio, A. (2000). O Sentimento de Si. O corpo, a emoção e a neurobiologia da consciência. Lisboa: Publicações Europa-América.

Demo, P. (2011). Complexidade e Aprendizagem. A Dinâmica Não Linear do Conhecimento. São Paulo: Editora Atlas.

Ekman, P. (2003). Emotions Revealed. Recognizing Faces and Feelings to Improve communications and Emotional Life. Owl Book Editors. New York.

Fonseca, V. (2001). Psicomotricidade. Perspectivas multidisciplinares. Lisboa: Ancora Editora.

Frade, V. (2010). Último Cântico. Alto Rendimento – Metodologia de Futebol – II (ano 2009/2010). Não Publicado. Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto.

Frade, V. M. Prefácio. In: Almeida, R. F. Dinâmica da Organização Estrutural no Futebol. Diferentes considerações do futebol de ataque. Vitória: Editora Oyá. 1ª edição, 2020. 421p.

Freitas S. (2004). A especificidade que está na concentração táctica que está na Especificidade no que deve ser uma operacionalização da Periodização Táctica [monografía]. Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Garganta, J. & Grehaigne, J. F. A abordagem sistêmica do jogo de futebol: moda ou necessidade? In Revista Movimento. 5 (10) 1, 1999.

Garganta, J. (1997). Modelação da Dimensão Táctica de Jogo de Futebol. Estudo da organização da fase ofensiva em equipes de alto rendimento. Dissertação de Doutorado não publicada. Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto.

Garganta, J. Dos constrangimentos da acção à liberdade de (inter)acção, para um futebol com pés... e cabeça. In: Araújo, D. (Org.). O Contexto da Decisão. A acção táctica no desporto. Lisboa: Visão e Contexto editora, 2005.

Garganta, J. Modelação da Dimensão Táctica de Jogo de Futebol. Estudo da organização da fase ofensiva em equipes de alto rendimento. Não publicado. Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto, 1997.

Garganta, J., & Cunha e Silva, P. O Jogo de Futebol: entre o Caos e a Regra. Lisboa: Revista Horizonte. 5-8, 2000.

Gomes, M. (2008). O Desenvolvimento do Jogar, segundo a Periodização Táctica. Colecção Preparação Futbolística. Pontevedra: MCsports Editora.

Greco, P. J.; Benda, R. N. Iniciação esportiva universal: da aprendizagem motora ao treinamento técnico. Belo Horizonte, MG: UFMG, 1998.

Guilherme (2004). Conhecimento Específico em Futebol. Contributos para a definição do processo ensino-aprendizagem do jogo. Porto: Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Hawking, S. (1988). Uma Breve História do Tempo: do Big Bang aos Buracos Negros. Rio de Janeiro: Rocco Editora.

Hawking, S. O universo numa casca de noz. (Trad. M. Friaça). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.Universo numa casca de noz

Krebs, R. J. (1998). O Desenvolvimento Humano intepretado pela Teoria da Ecologia do Desenvolvimento Humano. In: Marques, A.; Prista, A. & Faria, A. J. (Eds.) (1998). Educação Física: Contexto e Inovação. Actas do V Congresso de Educação Física e Ciências do Desporto dos Países de Lingua Portuguesa. Porto: Faculdade de Ciências do Desporto e Educação Física da Universidade do Porto.

Laborit, H. (1971). O Homem e a Cidade. (A. P. Salvação, Trad.). Lisboa: Publicações Europa-América.

Leitão, R. (2009). O Jogo de Futebol: Investigação de sua estrutura, de seus modelos e da inteligência de jogo, do ponto de vista da complexidade. Dissertação de Doutorado publicada. Campinas: Universidade Estudal de Campinas - Faculdade de Educação Física.

Lipton, B. A Biologia da Crença. Ciência e espiritualidade na mesma sintonia: o poder da consciência sobre a matéria e os milagres. Tradução Yma Vick. São Paulo: Petit Editora, 2007.

Lourenço, L., & Ilharco, F. (2007). Liderança: As lições de Mourinho. Lisboa: Booknomics.

Maciel, J. (2011). Não o Deixes Matar. O Bom Futebol e Quem O Joga. O Futebol Adentro Não é Perda de Tempo. Lisboa: Chiado Editora.

Manoel, E. de J. (1994). Desenvolvimento motor: implicações para a educação física escolar I. Revista Paulista De Educação Física, 8(1), 82-97. https://doi.org/10.11606/issn.2594-5904.rpef.1994.138423

Michel, M., da Silva, E., & Molina, J. (2021). La habilidad motora de pateo: relaciones entre experiencia, sexo y etapa motriz. Retos, (39), 210-215.

Mintzberg, H. (1995). Estrutura e Dinâmica das Organizações. Lisboa. Publicações Dom Quixote.

Mlodinow, L. (2009). O andar do bêbado. Como o acaso determina nossas vidas. Tradução: Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Zahar Editora.

Morin, E. (1977). O Método I – A Natureza da Natureza. (Bragança, M. Trad.). Sintra: Publicações Europa – América. 2º Edição.

Morin, E. (1980). O Método II – A vida da Vida. (Bragança, M. Trad.). Sintra: Publicações Europa – América. 3º Edição.

Morin, E. (1990) Introdução ao Pensamento Complexo. (Bragança, M. Trad.). Sintra: Publicações Europa – América.

Morin, E. (2007). Complexidade restrita, Complexidade Geral. In Morin, E.; Le Moigne, J. L. (Eds) (2007). Inteligência da Complexidade. Epistemologia e pragmática. (Duarte, J. Trad.). Lisboa: Instituto Piaget Editora.

Morin, E., & Le Moigne, J. L. (2007). Inteligência da Complexidade. Epistemologia e pragmática. (Duarte, J. trad.). Lisboa: Instituto Piaget Editora.

Murad, M. (2006). O Futebol e a Sociologia. In A. L. Pereira, A. Costa & R. P. Garcia (Eds.), O Desporto entre Lugares – O lugar das Ciências Humanas para a compreensão do Desporto (pp. 73 - 99). Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto.

Mújica, F. N. & Orellana, N. D. (2021). El amor en educación física: una perspectiva filosófica basada en Max Scheler y José Ortega y Gasset. Retos: nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación, (39), 857-862.

Neri, D. (2010). O Valor Estético do Jogo do Futebol Clube de Barcelona na Época 2008/2009. Estudo exploratório a partir da análise do discurso de comentadores televisivos em jogos da Liga dos Campeões e da Liga Espanhola. Dissertação de Mestrado não publicada. Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto.

Nicoletis, M. (2008). A Ciência pode ser um agente de Transformação Social. In Martins, C.; Pivetti, M.; Neto, M.; Souto, V.; Arcoverde, L.; Barros, J.; Domenici, T.; Manera, R.; Severiano. Revista Caros Amigos. Brasil.

Oliveira, B.; Amieiro, N.; Resende, N., & Barreto, R. (2006). Mourinho: Porquê tantas vitórias? Lisboa: Gradiva Editora.

Pamplona, R. C. (2003). A ordem da Racionalidade e o Movimento Criativo da Desordem. In: Revista Margem. 17 (12) pp. 173 – 179.

Pedro Sousa (2010). Um Algoritmo do Futebol (mais do que) Total: algo que lhe dá o Ritmo! Uma reflexão sobre o “Jogar” de qualidade. Porto: Monografia não publicada. Porto: Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Pereira, L. F. G. (2006). A Modelação do Jogo de Futebol. Comparação das percepções dos treinadores: Modelo de Jogo Ideal versus Modelo de Jogo Real. Dissertação de Mestrado não publicada. Porto: Faculdade de Desporto Universidade do Porto. Porto.

Pessoa, O. (2001). Auto-organização e Complexidade: Uma introdução Histórica e Crítica. Não Pulicado. Salvador: Universidade Federal da Bahia.

Pinto, A. (2007). Se não fosse para ganhar. A importância da dimensão táctica no ensino dos jogos desportivos coletivos. Porto: Campo das Letras.

Pivetti, B. (2012). Periodização Tática. O Futebol-arte alicerçado em critérios. São Paulo: Editora Phorte.

Prado, E. F. (2009). Economia, Complexidade e Dialética. São Paulo: Editora Plêiade.

Prado, E. F. (2011). Complexidade e Práxis. São Paulo: Editora Plêiade.

Ramalho, J. A. (2007). Cultura é Atitude: Responsabilidade Social é Cultura! In Conferência proferida no Projecto “Estação Pátio Savassi”. Belo Horizonte.

Ramos, M. S. (2009). Teoria do Caos. Potencialidades na modelização da aprendizagem de conceitos científicos. Lisboa: Instituto Politécnico de Lisboa. Edições Colibri.

Rosnay, J. Football. L'intelligence collective. Paris: Canal Odisea [Documentário], 2006.

Sanz, V. A. (2003). Organización y Gestión de Actividades Deportivas. Los grandes eventos. Barcelona: Inde Publicaciones.

Serres, M. (1990). O Contracto Natural. Lisboa: Instituto Piaget. Lisboa.

Silva, M. (2011). Perspectiva e crítica sobre o treino no futebol nos últimos 30 anos. Prática(s), teoria(s) e algunas equívocos. 3º Congresso Internacional de Jogos Desportivos.

Stacey, R. D. (1995). A Fronteira do Caos. Lisboa: Bertrand Editora.

Tamarit, X. (2007). Que és la Periodizacion Táctica. Vivenciar el juego para condicionar el juego. Pontevedra: MCsports Editora.

Tamarit, X. Periodización Táctica vs Periodización Táctica. Vitor Frade aclara. España. Editora: Edição do autor, 2013.

Tani, G; Júnior, C.; Ugrinowitsch, H.; Benda, R.; Chiviacowsky, S., & Corrêa, U (2010). Maringá: Revista da Educação Física da Universidade de Maringá. 21(3).

Távora, F. (2006). Da organização do Espaço. Porto: Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto.

Uhlmann, G. (2002). Teoria Geral dos Sistemas. do atomismo ao sistemismo. (Uma abordagem sintética das principais vertentes contemporâneas desta proto-teoria). São Paulo: Instituto Siegen.

Von Bertalanffy, L. Teoria Geral dos Sistemas. (Francisco M. Guimarães, Trad.). Petrópolis: Editora Vozes. 7ª edição, 2013.

Zazzo, R. (1978). Henri Wallon. Psicologia e Marxismo. Lisboa: Editores Denoel/Gonthier.

Zimmerman, B. J., & Schunk, D. H. (2003). Albert Bandura: The man and his Contributions to Educational Psychology. In Educational psychology: One-hundred years of contributions. New Jersey: Lawrence Earlbaum.

Publicado
2021-05-24
Cómo citar
Freire de Almeida, R., & Molina Saorin, J. (2021). El cuerpo creativo y efectivo en el fútbol es más caosal: perspectivas basadas en la periodización táctica sobre la propensión al acto creativo (Creative and effective body in football is more chaosal: perspectives based on tactical periodization about th. Retos, 42, 584-594. https://doi.org/10.47197/retos.v42i0.88025
Sección
Revisiones teóricas